segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Sibipiruna

Embora a sibipiruna não seja uma árvore nativa do cerrado (sua real origem é a Mata Atlântica!) dedicaremos uma postagem a esta árvore pois se trata de uma árvore encontrada em grande quantidade em nossa querida Uberlândia, sempre nos presenteando com uma bela floração nos meses de setembro e de outubro.

“A sibipiruna (Caesalpinia pluviosa variedade peltophoroides - Caesalpinioideae), também conhecida como sebipira, é uma árvore de grande porte, nativa do Brasil, chegando a medir 28 metros de altura (normalmente entre 6 e 18 metros), com até 20 metros de diâmetro da copa arredondada e muito vistosa. Facilmente confundida com o pau-brasil ou pau-ferro pela semelhança da sua folhagem, é muito usada para arborização em várias cidades brasileiras.” (1)

“As folhas são bipinadas com haste central de 20–25 centímetros de comprimento com 8-9 pares de pinas, cada uma com cerca de 11-13 pares de folíolos de 10-12 milímetros por pina. A floração ocorre a partir de agosto, podendo estender-se até o final do verão, produzindo inflorescências em rácemos cônicos eretos com flores amarelas. A frutificação dá origem a vagens compostas de duas valvas secas, lenhosas, longas e coriáceas com 7,6-12,0 centímetros de comprimento por 2,7-3,1 centímetros de largura. Quando maduras, as vagens rompem-se por torção em deiscência explosiva, arremessando de uma a cinco sementes. Estas são comprimidas, irregularmente circulares, transversas, ovato-obovadas ou orbiculares a subglobosas, com testa dura e muito rígida, clara, grossa ou sem albúmen, provida de um bico no hilo e marginada. A árvore pode viver mais de cem anos.” (2)

“Sibipiruna é uma árvore alta e com raízes fortes. Assim como suas irmãs, a sibipiruna deve ser cultivada sob sol pleno, em solo enriquecido com matéria orgânica, regado frequentemente, mas sem encharcamento, para evitar doenças causadas por fungos e bactérias. Se você quiser plantar uma sibipiruna, escolha um local com bastante espaço, já que as raízes são poderosas e a árvore passa fácil dos 15 metros de altura. Prepare a cova com terra, areia e composto orgânico em partes iguais, colocando um pouco de calcário no fundo e mexendo bem. Tome cuidado com a poda, geralmente anual, para que os galhos não cresçam em direção aos fios elétricos e demais lugares indesejados. E passe longe de seus frutos (pretos, achatados e com sementes beges), porque eles não são comestíveis.” (3)

Face às suas raízes grossas e fortes e à grande altura que pode atingir, somando ao fato de que tem uma copa considerável e necessário se analisar, antes de efetuar o plantio em área urbana, se o crescimento da árvore não poderia provocar danos como contato com a rede elétrica ou a passeios ou imóveis.



Créditos das fotos: As fotos foram obtidas por Hugo Cesar Amaral, em outubro de 2.018, nas ruas Benjamim Magalhães e Rondon Pacheco, em Uberlândia/MG e no Campus Santa Mônica da UFU, também em Uberlândia/MG.


domingo, 4 de março de 2018

A beleza da quaresmeira!

A quaresmeira (Tibouchina granulosa) é uma árvore brasileira pioneira, da Mata Atlântica, principalmente da floresta ombrófila densa da encosta atlântica.

Seu nome popular é devido à cor das flores e época de floração: entre os meses de janeiro e abril (período da quaresma), e também em junho-agosto. Além da variedade com flores roxas há a de flores rosadas (variedade Kathleen).

Ocorrência:

Na Mata Atlântica da Bahia e do sudeste do Brasil, principalmente em matas secundárias.[1]

Características:


O nome popular Quaresmeira vem do florescimento no período da quaresma. Os frutos são secos em forma de taça, marrom, deiscente, com aproximadamente 1 cm de diâmetro, que ocorrem de abril a maio e de outubro a novembro. Apresentam grande número de pequenas sementes, que são dispersadas pelo vento. Seu porte geralmente é pequeno a médio, podendo atingir de 8 a 12 metros de altura. O tronco pode ser simples ou múltiplo, com diâmetro de 30 a 40 cm. A quaresmeira tem um período de vida de 60 a 70 anos.


As folhas são simples, elípticas, pubescentes, coriáceas, com nervuras longitudinais bem marcadas e margens inteiras. A floração ocorre duas vezes por ano, de fevereiro a abril e de agosto a outubro, despontando abundantes flores pentâmeras, simples, com até 5 cm de diâmetro, com estames longos e corola arroxeada, sendo que na variedade Kathleen estas se apresentam róseas. Mesmo quando não está em flor, a quaresmeira é ornamental. Sua copa é de cor verde escura, com formato arredondado, e sua folhagem pode ser perene ou semi-decídua, dependendo da variação natural da espécie e do clima em que se encontra. Por suas qualidades, ela é uma das principais árvores utilizadas na arborização urbana no Brasil, podendo ornamentar calçadas, avenidas, praças, parques e jardins em geral. Seu único inconveniente é a relativa fragilidade dos ramos, que podem se quebrar com ventos fortes, provocando acidentes. Com podas de formação e controle, pode-se estimular seu adensamento e mantê-la com porte arbustivo.

Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo fértil, profundo, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente no primeiro ano após o plantio ou transplante. Apesar de preferir esses cuidados, a quaresmeira é uma árvore pioneira, rústica e simples de cultivar, vegetando mesmo em solos pobres. Originária da mata atlântica, esta espécie aprecia o clima tropical e subtropical, tolerando bem o frio moderado. Multiplica-se por sementes, com baixa taxa de germinação, e por estaquia de ramos semi-lenhosos. Sua madeira apesar de ser de qualidade inferior é indicada para a construção de vigas, caibros, obra internas, postes, esteios e moirões para lugares secos.

Fontes:

Lorenzi, Harri: Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 1. Instituto Plantarum, Nova Odessa, SP, 2002, 4a. edição. ISBN 85-86174-16-X

Instituto de Botânica de São Paulo


http://www.cuidar.com.br/quaresmeira


Artigo obtido na Wikipedia (https://pt.wikipedia.org/wiki/Tibouchina_granulosa)

Fotos tiradas por Hugo Cesar Amaral, nos Bairros Santa Mônica e Finotti, em Uberlândia.


segunda-feira, 9 de outubro de 2017

A beleza do Ypê-branco!



Fotos tiradas por André Luiz Mendonça, em 07/10/2017, em uma ilha na represa de Capim Branco II, entre Uberlândia/MG e Araguari/MG.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Estiagem em Uberlândia - Uso racional da água

A estiagem deste ano na cidade está
mais prolongada que o previsto



Para não correr o risco de faltar água, economize! Seja consciente,
consuma apenas o necessário. Viu algum vazamento de água na rua?
Ligue para o Dmae! 0800 940 7272

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Chegamos a 132 mil visitas!

Este modesto blog atingiu ontem a marca de 132.000 visitas!



Agradecemos a todos os visitantes e seguidores!

segunda-feira, 20 de março de 2017

Campanha da Fraternidade 2017 - "Biomas brasileiros e defesa da vida”, tendo como lema “Cultivar e guardar a Criação"




O terma da campanha da fraternidade terá conteúdo ambiental em 2017.

Abaixo, algumas informações, obtidas no site: http://www.itf.org.br/tema-e-lema-da-campanha-da-fraternidade-2017.html

"Foi definido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) o tema e o lema da Campanha da Fraternidade 2017. A CF 2017 deste ano será sobre: “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”, tendo como lema “Cultivar e guardar a Criação”.

Você sabe o que é a Campanha da Fraternidade 2017? Ainda não? Bom, a Campanha da Fraternidade 2017 – CF 2017, é realizada todos os anos pela Igreja Católica no Brasil. A CF 2017 nada mais é do que uma campanha que envolve a comunidade com diversas ações pastorais em todas as regiões do Brasil.

A Campanha da Fraternidade é marcada pelo empenho de todos em favor da solidariedade e fraternidade, sempre abordando temas atuais, que a cada ano propõe uma transformação social e comunitária, seja ela em desafios sociais, econômicos, culturais e até mesmo religiosos, onde toda a população envolvida na Campanha da Fraternidade é convidada a ver, julgar e agir.

Muitas pessoas se perguntam, “Mas quando a Campanha da Fraternidade começa?”. A Campanha da Fraternidade sempre começa na quarta-feira de cinzas e acontece durante o ano todo! Muitas pessoas acham que ela termina depois da Páscoa, mas não, como dissemos, ela dura até o fim do ano, junto com o Ano Litúrgico, onde são desenvolvidas diversas atividades pastorais.

Podemos citar alguns exemplos de como a Campanha da Fraternidade 2017 é trabalhada, debatida e refletida com a comunidade, são eles: Cartazes, desenhos, músicas, texto-base, textos voltados para cada pastoral, vídeos e muito mais!"

Limpeza de córregos em Uberlândia/MG

A administração pública de Uberlândia realizou, na semana passada, ações relativas à limpeza de importantes córregos localizados na área urbana de Uberlândia/MG.

Vejamos a notícia publicada no portal da Prefeitura:

"Córrego do Carvão começa a ser limpo nesta sexta-feira (17)


Assim como no córrego Liso, troncos e galhos de árvores que estão obstruindo passagem da água serão retirados


Em uma ação conjunta, as secretarias de Obras e Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbanístico finalizam nesta sexta-feira (17/03/2017) a limpeza do Córrego Liso, no bairro Residencial Gramado, zona Norte de Uberlândia. A ação conta ainda com a parceria do Departamento Municipal de Água e Esgoto de Uberlândia (Dmae) e prevê a retirada de entulho e galhos de árvores que estão dificultando a passagem da água. No mesmo dia, as equipes começam a limpar a passagem do Córrego do Carvão sob a rua Rebelião Praieiras, no bairro Santa Rosa, também zona Norte da cidade.
O objetivo é desobstruir a as manilhas da rede pluvial e fazer a limpeza da área. O Córrego do Carvão está com troncos de árvores em suas águas, situação agravada pelo lixo jogado nas ruas e que acaba indo para a rede pluvial. Além desse procedimento, na próxima semana, as equipes da prefeitura devem solucionar uma erosão na rua Rebelião Praieiras.
“As redes pluviais são de extrema importância para o sistema hídrico. Então, além de mantermos nosso córrego limpo, esse trabalho conjunto é importante para que a nossa rede de drenagem pluvial seja mais eficiente”, afirmou o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbanístico, Dorovaldo Rodrigues Júnior.
A equipe responsável já começou o monitoramento de outros córregos, que serão limpos conforme necessidade. “A limpeza evita enchentes nos dias de maior precipitação e também o acúmulo de lixo, que pode atrair animais peçonhentos”, explica Paulo Euclides, diretor de Drenagem Pluvial do Dmae."
Fonte: http://www.uberlandia.mg.gov.br/2014/noticia/12857/corrego_do_carvao_comeca_a_ser_limpo_nesta_sexta_feira__17_.html. Publicado no portal em: 16/03/2017 18:32:05